sábado, 22 de setembro de 2007

As músicas nos deixam no gerúndio:


Seguindo palavras e buscando estrelas;
Querendo ver o mais distante sem saber voar;
Gritando “nada é tão triste assim”;
Não procurando agora o que encontramos antes;
Provando a todo mundo que não precisamos provar nada pra ninguém
.
.
.
Estranhos e sós não podemos ver que o céu é maior!
A solidão desse cotidiano corrido cultiva nossas excentricidades.
.
.
.
Sabendo que o pra sempre sempre acaba.

4 comentários:

Ana Paula disse...

Bella,tenho lá minhas dúvidas se vc escreve nesse blog falando de vc ou de mim.Pq é impressionante a capacidade q vc tem de ir tão fundo nos meus sentimentos sem a intenção de fazê-lo.E com essas "simples" letras de música(coisa q amo tanto) então...PERFEITO!!!
É minha amiga hein pessoal... :D

Gustavo :: ovatsuG disse...

Ei, por que eu não consigo escrever algo assim? Sinta-se invejada.

Gustavo :: ovatsuG disse...

Ow, Bellinha, só você mesma pra conseguir me botar pra cima. Apesar de termos tão pouco tempo de amizade e tão pouco contato, te adoro! Não pelo fato de você me pôr pra cima, mas por tudo o que você representa na minha vida! Não sei se isso pode ser considerado motivo de orgulho ou alegria pra você, mas saiba que não são muitas pessoas que eu tenho esse sentimento! Hehehehehe

Gustavo :: ovatsuG disse...

Ah! Quanto ao "gosto musical refinado" nada que o tempo não consiga "sanar". Lembre-se que eu só ouvia porcaria quando ainda morava em Pesqueira.